• (43) 3557-1516
  • Seg - Sex: 9h00 - 12h00 | 13h00 - 16h00
<

comunicado, para em seguida ameaçar: “A partir de agora, inclusive, o uso ou posse de utensílios plásticos descartáveis, em 100% de nossos prédios administrativos, será considerado falta grave e, para isto, já revimos nossa política interna”.

“Apoiamos a campanha de desestímulo ao uso de embalagens plásticas descartáveis. Mas, não podemos aceitar ameaças aos funcionários que não aderirem a uma campanha do banco, uma vez que não existe qualquer tipo de lei que proíba o uso pessoal de descartáveis”, disse o secretário de Assuntos Socioeconômicos e representante da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) nas negociações com o banco, Mario Raia. “A mensagem, da maneira como foi transmitida, pode configurar assédio moral, mas, mais do que isso, mostra a maneira desrespeitosa com que o banco trata seus funcionários”, completou.

A mensagem causou incômodo e apreensão em muitos funcionários, que temiam represálias e punições. O banco negou que haverá punição, advertência, demissão ou falta administrativa contra bancários que continuarem utilizando utensílios e embalagens de plástico.

Mario informou que a Contraf-CUT vai solicitar informações ao sobre as revisões da política interna, alegadas na mensagem, para considerar “falta grave” o uso ou posse de embalagens descartáveis nas dependências do banco.

“Queremos saber o que é considerado falta grave, quais serão as penalidades e em quais leis o banco se baseia para aplicar as punições aos funcionários que não aderirem à campanha”, informou o dirigente da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf-CUT

DEIXE O SEU COMENTÁRIO