(43)3557-1516
Seg-Sex: 9h00-12h00 | 13h00-16h00
x

Notícias

MPF cobra da Caixa melhorias no atendimento à população. Entidades reforçam a necessidade de mais contratações
29/07/2021

Não é de hoje que as entidades representativas dos empregados da Caixa Econômica Federal denunciam a precariedade das condições de trabalho e a falta de pessoal no banco público, que causam sobrecarga dos trabalhadores e comprometem o atendimento à população. O problema chamou atenção do MPF (Ministério Público Federal) que no dia 5 de julho ajuizou a Ação Civil Pública com objetivo de obter decisão judicial que obrigue a Caixa a realizar melhorias no seu SAC (Sistema de Atendimento ao Consumidor) em todo o País.

“Temos na Caixa um déficit de quase 20 mil postos de trabalho. Isso somado às condições precárias de trabalho e às metas desumanas, faz com que os empregados estejam em sua maioria esgotados e adoecidos. A contratação de mais empregados para o banco é uma pauta que as entidades sindicais e associativas têm reiterado nas negociações com a empresa e por meio de mobilizações em todo o país”, relata Sergio Takemoto, presidente da Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal).

Para a coordenadora da CEE (Comissão Executiva dos Empregados) e secretária da Cultura da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Fabiana Uehara Proscholdt, a ação do MPF é extremamente importante, porque se junta aos esforços das representações dos empregados para melhorar as condições de trabalho no banco e, consequentemente, o atendimento à população.

“Os empregados não medem esforços para o fazer o melhor, mas devido às péssimas condições de trabalho e sobrecarga de atividades eles não conseguem atender da melhor forma a população e os clientes do banco. Cada vez mais a direção da Caixa deixa de priorizar o bom atendimento para focar na questão da cobrança de metas que não são atingíveis e acabam gerando o afastamento dos colegas por adoecimento e agravando a carência de pessoal”, destaca a coordenadora da CEE.

Menos empregados e sobrecarga de trabalho

A Caixa encerrou o primeiro trimestre de 2021 com 81.876 empregados, com fechamento de 2.943 postos de trabalho em 12 meses, influenciado pelo PDV (Programa de Desligamento Voluntário).

Por outro lado, o banco registrou incremento de aproximadamente 42,4 milhões de novos clientes. Segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o número de clientes por empregado, em 2007, tinha a média de 575,7 correntistas por empregado. Já no primeiro trimestre deste ano, a média subiu assustadoramente para 1.780 clientes por empregado, um aumento de mais de 209%.

Caixa lidera reclamações

Segundo o MPF, a Ação Civil Pública tem por base informações da Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), que apontam a Caixa como a instituição financeira que mais recebeu reclamações relacionadas ao SAC na plataforma “consumidor.gov.br” de 2016 a 2018. Ainda, segundo o Ministério Público Federal, foram registradas 13.413 reclamações contra o seu SAC no Sindec (Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor) em 2019 e 2020.

O MPF concluiu que o serviço, que já era prestado com deficiência, piorou em 2019 e 2020.  A conclusão do órgão é de que a Caixa vem prestando um péssimo serviço de atendimento ao consumidor desde 2016. Na ação, o MPF pede a condenação do banco para cumprir os termos do Código de Defesa do Consumidor e do Decreto nº 6.523/2008, sob pena de pagamento de multa no valor mínimo de R$ 1 milhão por ano de descumprimento.

Do total das 21.694 reclamações de consumidores nos sistemas da Senacon e do Sindec nos anos de 2019 e 2020, os problemas mais recorrentes foram a ausência de resolução de demandas, com 11.796 reclamações, o que representa 54,37% do total; a dificuldade de acesso ao serviço, que possui 5.639 queixas, o que representa 25,99% do total; e a dificuldade para cancelar serviços, que soma 2.290 reclamações, o que corresponde a 10,55% do total.

Fonte: Fenae